Projetos de R$ 515 milhões e 850 novas vagas são aprovados no CAS

Reunião também serviu para que fossem detalhados números positivos do PIM, com destaque para os dados de empregabilidade, elevação no faturamento global até maio, crescimento da produção do setor de Duas Rodas e para o somatório dos projetos analisados.

A 305ª Reunião Ordinária do Conselho de Administração da Suframa (CAS) aprovou, nesta quinta-feira (18), 31 projetos industriais, de serviços e agropecuários, cuja soma de investimentos totais ultrapassa os RS 515 milhões (US$ 100 milhões) e prevê a geração de 850 novos postos de trabalho, em plena capacidade de operação. O evento foi transmitido por videoconferência e presidido pelo novo secretário especial de Produtividade e Competitividade do Ministério da Economia, Alexandre Ywata, que assumiu o cargo em julho. 

Durante a reunião, que também contou com a participação de autoridades e personalidades ligadas às classes política e econômica da região Amazônica, o superintendente Algacir Polsin detalhou números positivos do Polo Industrial de Manaus (PIM) atingidos este ano, destacando dados como o de empregabilidade – consecutivamente superior a 100 mil empregos diretos -, elevação no faturamento global até maio, crescimento significativo da produção do setor de Duas Rodas e o somatório dos projetos analisados nas quatro reuniões do CAS realizadas em 2022. “Ao todo, são 136 projetos aprovados, com média de 32 projetos por reunião, e representam um investimento potencial da ordem de US$ 807 milhões e a geração de 7 mil empregos nos próximos 3 anos. Dos 136 projetos merece destaque que 59 foram de implantação. Números que mostram que o modelo Zona Franca de Manaus continua resiliente, pujante e atrativo”, destacou. 

Polsin também fez referência a medidas de desburocratização como a automatização de quatro novos serviços integrantes do novo sistema de acompanhamento de projetos industrias e de serviços da Autarquia, cujo funcionamento, após período de testes, vai ser iniciado oficialmente a partir de 01 de setembro.  

O superintendente ressaltou, ainda, a realização de fóruns temáticos no contexto do projeto “Amazônia 2040”, com o objetivo da elaboração de análises prospectivas realizadas por representantes de setores estratégicos. “Já realizamos os fóruns de Óleo e Gás e o de Bioeconomia. Os próximos serão os referentes ao 5G e Indústria 4.0, e aos Fertilizantes. Nesses eventos, representantes dos setores privados, órgãos públicos, acadêmicos, instituições de pesquisa e inovação discutem temas, demandas possíveis, como preparação para a formação profissional nos níveis técnico e universitário, atração de investimentos, necessidade de indústria componentista, de serviços ligados a esse tema e de linhas de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação. A previsão, é que o resultado dessas discussões seja apresentado aos conselheiros, na reunião do CAS de dezembro”, explicou.

IPI, CAS e governança 

Nos pronunciamentos finais, o secretário Alexandre Ywata destacou a colaboração técnica, por parte da Suframa, na elaboração de um novo decreto para a redução de alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI), a ser publicado, em cujo teor foi buscada a proteção dos fabricantes instalados no modelo ZFM, “ao mesmo tempo em que contribui com a industrialização no resto do Brasil”. 

Iwata também explicou que já estão sendo analisadas as propostas dos três consórcios candidatos a gerir o Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA). “A conclusão do processo de escolha do novo gestor do CBA será prioridade da Subsecretaria de Economia Verde, criada este mês, e a resposta sobre a escolha sairá o quanto antes”, afirmou. 

Aprovação 

Além dos 30 projetos industriais e de serviços, também foi aprovado pelos conselheiros um projeto agropecuário de atualização, da empresa Companhia Florestal e Agrícola Ayapuá, para implantação das culturas da castanha do brasil, cupuaçu e açaí, em área de 959,8 hectares, localizada na BR-174, quilômetro 85, vicinal ZF-6, KM 13, no Distrito Agropecuário da Suframa, com investimentos de R$ 996,5 mil. 

A próxima reunião do CAS está agendada para 20 de outubro e, conforme Iwata, pretende-se que seja presencial. 

Fonte: gov.br