ICMS: Mantida liminar que permite cobrança do DIFAL apenas em 2023.

609

Foi mantida decisão liminar da 16ª Vara da Fazenda Pública de SP que trata da cobrança do DIFAL do ICMS, dispondo que a cobrança só pode ser realizada a partir de 2023.

Em recurso interposto pelo Estado, o desembargador Eduardo Gouvêa, decidiu de modo monocrático pela manutenção da liminar.

O DIFAL teve sua cobrança regulamentada pela Lei Complementar nº 190/2022, a qual foi publicada no dia 05 de janeiro deste ano. Diante disso, empresas e estados têm travado confrontos judiciais a respeito da cobrança imediata e da necessidade de observância aos princípios da anterioridade geral e nonagesimal.

De acordo com tais princípios, tem-se o seguinte: Na anterioridade anual, os tributos não pode ser cobrados no mesmo exercício financeiro da publicação da lei que os institui ou os majora. Pela anterioridade nonagesimal, fica vedada aos estados a cobrança de tributos antes de 90 dias da data da publicação da lei de instituição ou majoração.

No caso em questão, a empresa já teve reconhecido, em 1ª instância, o direito a recolher o DIFAL somente em 2023, em razão da anterioridade anual.

Todavia, no recurso interposto pelo estado de São Paulo, o argumento utilizado foi o de que já havia lei instituindo o DIFAL no estado, qual seja a Lei Estadual nº 14.470/2021, publicada em 14/12/2021.

Por fim, São Paulo ainda argumenta que, com a edição desta lei estadual, atende tanto à anterioridade anual quanto a nonagesimal, em virtude do Comunicado CAT nº 02, publicado na última sexta-feira (28/01), que dispõe que o estado iniciará as cobranças do DIFAL a partir de 1º de abril de 2022, noventa dias após a publicação da Lei Complementar nº 190/2022.

Diante disso, o estado requereu no recurso que a liminar de 1ª instância fosse revogada e que a cobrança do DIFAL seja considerada legítima a partir de 5 de abril de 2022, data em que estarão transcorridos noventa dias da publicação da lei complementar.

No julgamento do recurso, o desembargador Eduardo Gouvêa não atendeu aos argumentos do estado e manteve a liminar, determinado que a cobrança do DIFAL ocorra apenas em 2023, em respeito à anterioridade anual, pois, para ele, a instituição do DIFAL se deu com a Lei Complementar nº 190/2022, e não com a Lei Estadual nº 14.470/2021.

Processos Relacionados: 1001443-38.2022.8.26.0053 (1ª instância) e 3000383-58.2022.8.26.0000 (2ª instância).

Fonte: Marcelo Morais Advogados